Quinta-feira, 19 de Novembro de 2009

Rio Leça recupera lentamente

 

Rio Leça recupera lentamente

2009-10- 03                      

Projecto de despoluição do rio decorre há dois anos, sem grandes resultados visíveis. É que, lembram os cientistas, é mais fácil poluir do que limpar. Em pleno rio Leça, um grupo de pessoas retira peixes da água e a coloca-os em baldes. Não estão a pescar como algumas pessoas que os avistam têm julgado. "Muitas vezes as pessoas pensam que estamos a matar peixe", disse João Morais, um dos membros da equipa que tem trabalhado no Parque de S. Lázaro, em Alfena, Valongo.

As quatro pessoas que trabalham no leito do rio são, na verdade, biólogos da Faculdade de Ciências da Universidade do Porto (FCUP) que, ao abrigo do projecto "Corrente Rio Leça", monitorizam o estado do peixe. O projecto é desenvolvido pela Câmara Municipal de Valongo, com o objectivo de despoluir o Leça. O que os cientistas da FCUP fazem é verificar se a limpeza do rio está a dar frutos.

João Morais, biólogo de 26 anos, participa pela primeira vez neste trabalho. "Estamos a recolher peixe para medir, catalogar, quantificar, e depois devolvê-lo ao rio", explicou ao JN. A monitorização é feita duas vezes por ano e permite verificar de que forma se desenvolvem os peixes no rio Leça, curso de água que actualmente se apresenta com um elevado grau de poluição.

"Os rios mais a norte estão menos poluídos", afirmou João Morais que já se envolveu noutros projectos semelhantes, nomeadamente no rio Tâmega, em Amarante, onde vai ser construída a Barragem de Fridão.

O projecto "Corrente Rio Leça" começou há cerca de dois anos, mas ainda há poucos resultados visíveis. "É muito fácil e rápido estragar um rio e um ecossistema, mas este leva o seu tempo para recuperar naturalmente", explicou o biólogo Nuno Formigo, coordenador do grupo da FCUP. Até agora, a Câmara tem-se empenhado em eliminar o maior foco de poluição - a falta de ligação ao saneamento em algumas zonas. Em Março passado, começou a ser tratada a Ribeira da Gandra, um afluente do Leça alvo de muitas descargas ilegais.

A limpeza das margens é, para já, um dos progressos mais visíveis. O professor explica, que para despoluir as margens não basta cortar plantas e retirar resíduos. "As pessoas pensam que para limpar uma margem têm de cortar tudo raso, o que é errado, pois ao deixar o terreno sem plantas, a terra que fica solta é arrastada para o rio pelas chuvas", explicou. Outro risco deste procedimento de senso comum é destruir plantas das margens que funcionam como absorventes da sujidade da água e que funcionam, na prática, como agentes da despoluição.

Nuno Formigo entende que os agricultores devem ser sensibilizados para participar na prevenção, uma vez que em redor do rio se encontram vários campos agrícolas. O adubo que utilizam pode ser prejudicial em duas vertentes: ao promover o crescimento indesejado de vegetação nas margens e ao ir desaguar à própria água.

Já Sara Teixeira, recentemente envolvida no projecto, acredita que os proprietários dos campos não são os únicos responsáveis pela poluição, mas sim a população em geral: "Há muita falta de civismo e muita falta de educação por parte das pessoas", assinala.

A aluna da FCUP espera, um dia, ver o rio Leça, que passsa perto de sua casa, livre de poluição, mas está convicta que isso só é possível se todos colaborarem: "A comunidade tem estar envolvida no projecto, ou não funciona".

Luís Marques, que trabalha no "Corrente Rio Leça" desde 2007, acredita que a população está mais consciente, algo que se deve também às acções de sensibilização promovidas pela Câmara. "Se as pessoas virem as margens degradadas, não se importam de sujar - está sujo, suja-se mais. Pelo contrário, se virem que estão pessoas a limpar o rio, a tendência a poluir é menor", diz. "As pessoas até vêm ter connosco e falam sempre com saudosismo do tempo em que o rio Leça estava limpo", contou ao JN.

Para Nuno Formigo, o Leça requer ainda muito trabalho, "mas que tem potencial para ser recuperado".

 MELANIE ANTUNES

 

publicado por esas às 20:22
link do post | comentar | favorito
|

.Espaço da Geografia

.pesquisar

 

.Maio 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. Portos Portugueses

. Turismo em Portugal

. António Guterres faz apel...

. Tomada de Posse de Antóni...

. Joan Miro - Biografia e p...

. Portugal, beleza e simpli...

. O orçamento da UE

. PAC : 2014 / 2020

. Agenda 2030 para o Desenv...

. Movimentos da Terra

.arquivos

. Maio 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Setembro 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Setembro 2015

. Julho 2015

. Maio 2015

. Fevereiro 2015

. Novembro 2014

. Setembro 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Março 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Julho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Janeiro 2012

. Outubro 2011

. Agosto 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds