Sexta-feira, 10 de Abril de 2009

Turismo Rural

O turismo em espaço rural (TER) visa a utilização dos recursos locais de forma a preserva-los  e valoriza-los, deverá desenvolver-se   respeitando  o ambiente e o legado cultural, da área onde acontece, tendo em atenção a melhoria da qualidade de vida da população local, sempre de forma a proteger e criar oportunidades para as gerações futuras.

De forma a conseguir chegar a uma grande parte da população, o turismo rural distingue-se em várias modalidades: turismo rural, turismo de habitação,  agro turismo e o turismo de aldeia entre outros.

O turismo rural desenvolve-se em casas rústicas particulares com características arquitectónicas próprias do meio rural em que se inserem.

O agro turismo caracteriza-se por permitir que os hóspedes observem, aprendam e participem nas actividades das explorações agrícolas.

O turismo de habitação é o serviço de hospedagem de natureza familiar, prestado a turistas em casas antigas particulares, escolhidas pelo seu valor arquitectónico, histórico, ou, representativas de uma determinada época, nomeadamente, os solares.

O turismo de aldeia, é o serviço de hospedagem prestado num empreendimento composto por um conjunto de, no mínimo, cinco casas particulares situadas numa aldeia e exploradas de forma integrada, quer sejam ou não utilizadas como habitação própria dos seus proprietários.

       Devido ao crescimento urbano , a população citadina,  procura o interior do nosso país, de forma a “desligar-se” do stress e fugir à poluição. Como resposta  a esta tendência desenvolveu-se o turismo em espaço rural (TER) que tem como principal objectivo oferecer aos turistas a oportunidade de conviver com as práticas, as tradições e os valores das nossas áreas rurais, de forma também a preserva-los num ambiente saudável e tranquilo oposto à vida citadina. Este constitui um importante factor de desenvolvimento dessas áreas.

Esta actividade, em Portugal, já atinge valores significativos com relevância para o país. Em 2007 estavam em funcionamento cerca de 1023 unidades de turismo em espaço rural. Actualmente o número de dormidas é estimado em 664.5 mil sendo que 55% do total refere-se à população residente no país e os restantes 45% representam a população estrangeira liderando o mercado a população alemã com 25%.

 

 

Neste mesmo ano as modalidades de turismo em funcionamento com algum peso eram o turismo rural com 38%, as casas de campo com 23% e o turismo de habitação com 30%.

As actividades turísticas nas áreas rurais devem ser planeadas no respeito pelo ambiente e pelos valores culturais, locais, promovendo a qualidade da oferta, ajustando-a à capacidade de ocupação de lugares e incentivando a redução da sazonalidade.

O desenvolvimento sustentável do turismo, segundo a Organização Mundial do Turismo, deverá conciliar as necessidades dos turistas de hoje e das regiões de acolhimento, e simultaneamente, proteger e criar oportunidades para o futuro.

Assim, o turismo sustentável deve ser encarado como um meio de gestão dos recursos, que responde às exigências económicas, sociais e estéticas, preservando a integridade cultural, os processos biológicos essenciais e a diversidade biológica.

Sem duvida alguma, o turismo rural é um forte factor para o desenvolvimento económico das áreas rurais, uma vez que promove o património da região, dinamiza outras actividades económicas, criando emprego, logo, gerando riqueza, que aplicada na própria região, permitirá a sua sustentabilidade e, a melhoria do bem estar e da qualidade de vida da população local .

 Mariana, Daniela, Bruno Pina, 11ºE  e  Bruna Almeida, Ana Soares, Carla Trindade, 11ºD

 

 

 

publicado por esas às 17:21
link do post | comentar | favorito
|

.Espaço da Geografia

.pesquisar

 

.Maio 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. Portos Portugueses

. Turismo em Portugal

. António Guterres faz apel...

. Tomada de Posse de Antóni...

. Joan Miro - Biografia e p...

. Portugal, beleza e simpli...

. O orçamento da UE

. PAC : 2014 / 2020

. Agenda 2030 para o Desenv...

. Movimentos da Terra

.arquivos

. Maio 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Setembro 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Setembro 2015

. Julho 2015

. Maio 2015

. Fevereiro 2015

. Novembro 2014

. Setembro 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Março 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Julho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Janeiro 2012

. Outubro 2011

. Agosto 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds